• Document: Abigail Barnette. Deslumbrada
  • Size: 217.8 KB
  • Uploaded: 2019-02-12 22:24:03
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

Abigail Barnette Deslumbrada O Chefe 1 Tradução Ester Cortegano deslumbrada_3as.indd 5 25/05/15 16:41 Este livro não teria sido possível sem a ajuda e o apoio de   Deelylah Mullin, que, incansavelmente, editou, reeditou, voltou a edi‑ tar e ouviu as minhas preocupações, lamúrias e queixas ao longo de todo o processo de escrita. Bronwyn Green, leitora e chefe de claque extraordinária. «Este livro vai ser o máximo» tem de ficar gravado de alguma maneira na tua casa. A minha equipa de rua: vocês são numerosos de mais para caberem aqui, mas obrigada a todos os que obrigaram amigos, entes queridos e colegas de trabalho a dar uma oportunidade a esta história. Obrigada por me deixarem os links dos comentários nos meios de comunicação e por assinalarem as gralhas nas primeiras publicações dos capítulos. Obrigada por tudo. Mas, acima de tudo, obrigada a todos os que alinharam nesta viagem. Foram os momentos mais divertidos da minha carreira. Estava conven‑ cida de que o universo se enganara e estava a tentar substituir­‑me. Estava pronta para desistir da escrita, e depois 2012 transformou­‑se num mila‑ gre. Obrigada a todos por me ajudarem a perceber como desistir seria uma má opção. deslumbrada_3as.indd 7 25/05/15 16:41 deslumbrada_3as.indd 8 25/05/15 16:41 Capítulo 1 Alguma vez tiveste um desses dias que parecem estranhos, e não con‑ segues perceber a razão até acontecer alguma coisa grave? Depois recor‑ das a tua manhã – o café que entornaste no casaco Yamamoto branco, o persistente cheiro a alho no frigorífico da sala de convívio, o batom que tinhas nos dentes enquanto namoriscavas o tipo que te serve o pequeno­ ‑almoço – e tudo faz um perfeito sentido. Eu estava a ter um desses dias. Durante o último ano e meio, cada dia da minha vida tem sido uma permanente montanha­‑russa, por isso costumo estar pronta para tudo. Como assistente principal de Gabriella Winters, directora da revista ­Porteras, as minhas horas de trabalho podem ser passadas a fazer qual‑ quer coisa: desde comer com os olhos os modelos masculinos numa ses‑ são fotográfica de roupa interior da Calvin Klein até levar um Yorkie que sofre de obstipação crónica à sua colonoscopia mensal. Não era assim que tinha imaginado a minha carreira na indústria da moda, mas gosto de pensar que começo a dominar a coisa. Esta manhã, entrei às oito, como de costume. Pelo caminho, fui bus‑ car o pequeno­‑almoço da Gabriella, uma omeleta de claras e salmão Nova Scotia, comprado no Barney Greengrass – preparado especial‑ mente para ela antes da abertura, todos os dias excepto às sextas­‑feiras, quando faz jejum – e comprei café para mim e para Penelope, a segunda assistente. Cheguei ao escritório, dispus o pequeno­‑almoço de Gabrie‑ lla na sua porcelana preferida da Waterford e, antes da sua chegada, que 9 deslumbrada_3as.indd 9 25/05/15 16:41 Abigail Barnette estava programada para as 8 h 15 m, enviei um e­‑mail com uma cópia da agenda da minha chefe a todo o pessoal pertinente. Pensei que as coisas estavam a correr bastante bem, mas depois reparei que eram 8 h 12 m e ainda não tivera notícias de Gabriella. Aquilo era muito estranho. Por norma, por esta hora, já devia ter recebido a habitual e brusca chamada telefónica a exigir qualquer coisa impossível. Deixei­‑me cair na cadeira, bebi um gole do latte ainda a escaldar e engasguei­‑me, entornando um pouco na frente do casaco. Pelo menos já despachaste o teu drama do dia logo pelo início da manhã, pensei, a abanar a cabeça enquanto tentava limpar a mancha. Oh, quem me dera ter tido razão.

Recently converted files (publicly available):